terça-feira, 30 de outubro de 2018

Porque Bolsonaro foi eleito?

Impressionante. Um candidato claramente despreparado, com opiniões controversas e claras intenções de prejudicar grande parte da população e acabar com a soberania nacional, venceu a eleição que aconteceu domingo. Venceu raspando, pois seu adversário, o professor universitário Fernando Haddad obteve muitos votos, com adesões importantes. 

E não é só. Somando os votos para Haddad com abstenções, nulos e brancos (muito alta, talvez a maior desde as eleições de 1989), concluí-se que, apesar de vitorioso, Bolsonaro ainda desagrada a maior parte dos brasileiros. Mesmo assim os 55% de votos recebidos representam uma imensa quantidade de pessoas, um "exército" disposto a seguir as ordens de seu "capitão".

Isso acaba colocando um pulga atrás da orelha. Como é que uma imensa quantidade de pessoas cometeu o grave erro de colocar no poder uma pessoa claramente despreparada e com opiniões controversas, não raramente ofensivas e infantis? O chamado "voto de protesto" pode ajudar a explicar.

O que é nítido é o fato de que quase todos os eleitores de Bolsonaro desconhecem o programa de seu candidato. Desconhecem inclusive o responsável pelo programa, o economista neoliberal Paulo Guedes. Preocupados com pautas moralistas como o combate à corrupção e à criminalidade e o respeito a pautas religiosas e aos costumes da família cristã, os eleitores do ex-capitão estavam alheios a outras causas.

Os eleitores de Bolsonaro preferiram usar seu voto como forma de protestar contra o adversário, que segundo eles seria um obstáculo ao cumprimento das pautas moralistas citadas no parágrafo anterior. Não foram poucas as "fake news" criadas tentando associar Haddad ao descumprimento das pautas moralistas, tentando vender o professor como alguém corrupto e anti-humanitário.

O trabalho publicitário anti-PT, que existiu há muitos anos e foi reforçado na guerra híbrida iniciada em 2013, tratou de solidificar uma imagem negativa não somente do partido, mas de todas as forças progressistas, diante da opinião pública que agora inverte os valores, acreditando que fascistas vão ter mais responsabilidade social que os maculados socialistas.

Agora o estrago foi feito e Bolsonaro sentará na cadeira presidência a partir de janeiro de 2019, com o apoio de muitas forças retrógradas. O Brasil entrará numa fase difícil e seu desenvolvimento será adiado até que uma força progressista retorne ao poder. 

O Brasil, país jovem com apenas 518 anos de existência, vai conhecer agora a sua "Idade Média". Resta saber se os brasileiros tirarão uma boa lição desta fase e amadurecer de vez para preparar a nossa "Renascença". Torço por isso.

domingo, 28 de outubro de 2018

Bolsonaro, o candidato dos egoístas

Esta eleição parece mais um plebiscito. Parece ser entre dois candidatos, mas no fundo é  entre democracia e ditadura. É mais que nítido que as pessoas que votarão em Haddad são as que mais demonstram amor ao próximo. Do outro lado, entre os bolsonaristas, só se vê pessoas preocupadas com interesses particulares.

Bolsonaro é definitivamente o candidato dos egoístas. Mesmo que os bolsonaristas finjam altruísmo, de "lutar pelo país", nota-se que para estes "país" não vai além dos símbolos cívicos e da vida social que os eleitores do "Coiso" possuem. Até porque os bolsonaristas não se importam com o fim da soberania nacional e com o prejuízo da maior parte da população.

O próprio jeitão temperamental de Bolsonaro já denuncia as intenções egoísticas do candidato. O programa de governo de Bolsonaro contém inúmeros pontos que causarão prejuízo a maioria dos brasileiros. Portanto, é natural que os eleitores do ex-capitão sejam tão ou mais egoístas - ou até sádicos - que o seu "Mito".

Pergunte a qualquer eleitor de Bolsonaro porque ele votará no candidato e as respostas vazias, sem racionalidade denunciarão a pouca preocupação no progresso do país. Para os bolsnaristas, basta prender ou matar corruptos e bandidos que tudo se resolve. Quanto a economia, o "Mercado" cuidará sozinho de "melhorar as condições dos brasileiros". Mesmo que isso nada signifique de fato.

Os eleitores de Bolsonaro são em geral pessoas que estão de certa forma estabilizadas em suas vidas e com características que não confrontam o conservadorismo semi-medieval do ex-capitão. Acreditam que por pior que seja o governo do ex-capitão, eles não sofrerão as consequências de sua gestão.

Mesmo que votem no "Coiso" por convicções pessoais, a crença que os faz pensar que não serão prejudicados pelas maluquices do ex-capitão pode ser tão firme quanto um castelo de areia. Mal sabem os que não leram o programa do seu candidato que Bolsonaro governará apenas para os mais ricos e por continuar o golpe de Temer, não representará mudanças, do contrário que a campanha diz.

Apoiar uma ditadura como a que promete Bolsonaro não é coisa de gente que ame as outras pessoas. O próprio conceito de "bondade" defendido por Bolsonaro (que exclui altruísmo, tendo mais a ver com obediência a leis e a dogmas cristãos) dispensa seus eleitores de lutar por um país igualitário e justo, com felicidade e bem estar muito bem divididos entre os brasileiros. 

Até porque se existem "humanos direitos" é porque nem todos os seres humanos merecem direitos. Se existe quem pensa desta forma, existe quem seja egoísta e sádico. Infelizmente, há muita gente lucrando com o prejuízo de outros brasileiros. E esta gente certamente estará apertando "17" para ver o Brasil explodir.

sexta-feira, 26 de outubro de 2018

Que mudança? Apoiadores de Bolsonaro são os mesmos do Golpe

A campanha de Bolsonaro tenta vender o candidato neofascista como se fosse uma novidade, uma mudança. Como se o Brasil pudesse se renovar com o ex-capitão no poder. Propaganda enganosa. 

Quem usa mais o cérebro percebeu que não somente o programa e a postura de Bolsonaro são os mesmos do golpe que ele próprio apoiou como é fato de que todos os apoiadores do Golpe de 2016 se bandearam para as asas do ex-militar, para proteger interesses particulares.

Os pobres e a classe média que pretendem votar em Bolsonaro deveriam repensar sua decisão. Não é coincidência o fato de que programa e apoiadores do "Coiso" sejam os mesmos de Michel Temer. 

O próprio Paulo Guedes, responsável pelo programa de Bolsonaro, assumiu que seguirá Temer. Ou seja, Bolsonaro é a continuação de tudo que está aí, Um Brasil falido, sem soberania e com povo semi-escravizado ou desempregado. E totalmente corrupto.

Várias celebridades que apoiaram o "impeachment" e declararam voto em Aécio Neves, estão do lado co "Coiso". Eles odeiam o PT porque sabem que o partido dos trabalhadores representa uma ameaça aos privilégios dos mais ricos, ao tentar melhorar a distribuição de renda nas gestões administradas pelo partido.

Mesmo sabendo que Bolsonaro é uma incógnita que pode fazer os burgueses perderem, agrande parte das elites preferem Bolsonaro porque se ele desafinar, simplesmente estas elites arrumam as malas e se mandam para os EUA ou para países da Europa, pois tem condições financeiras para isso.

Aliás, que vota em Bolsonaro acredita que não vai se dar mal no governo dele. Acredita, pois a instabilidade pessoal do ex-capitão, que muda de opinião com a direção do vento, é capaz de fazer apoiadores irem para a cadeira elétrica, dependendo das circunstâncias.

Personalidades como Latino, Márcio Garcia, Regina Duarte (foto), Zezé di Camargo, Latino, Alexandre Frota (que virou político), Roger Rocha, Luciano Huck, Roberto Justus, entre outros, apoiaram o Golpe e não foram prejudicados pelas medidas de Temer, o que os faz apoiar a continuação do Golpe fantasiada de "mudança", proposta pelo candidato neofascista.

Mas claro que estes mesmos prefeririam um cara "equilibrado" como Geraldo Alckmin, com condições mais sólidas de favorecer a plutocracia. Mas no desespero de salvar a ganância, sobretudo após a crise de 2008 (interessante, o Nazismo também veio de uma grave crise mundial, a de 1929), os ricos e a parte da classe média que a apoia se bandearam para Bolsonaro, que prometeu reduzir os impostos dos ricos.

Alckmin foi muito mal nas pesquisas e obteve votos em reduzida quantidade. Ficou estigmatizado como co-autor do Golpe. Bolsonaro apoiou o Golpe e pretende dar continuidade a ele, mas como político desconhecido em 2016, não ficou estigmatizado e a memória curta do brasileiro o fez surgir como novidade, mesmo que em toda a sua ignorada trajetória política, o ex-capitão tenha se comportado como os piores políticos que o Brasil já teve.

Para quem não é rico nem famoso, peço para que analise bem seu voto em Bolsonaro. É mais do que comprovado que ele não representa mudanças (quem representa mesmo é Haddad, que promete medidas inéditas para acelerar o progresso do Brasil). 

Bolsonaro é a continuação do Golpe e não somente seu programa de governo, escrito por um ultraliberal que trabalhou com o sádico Augusto Pinochet, no Chile, como os seus apoiadores, principalmente os mais famosos, são os mesmos de Michel Temer, que causou um desastre imenso para o Brasil. Desastre que certamente aumentará na gestão do ex-capitão. 

Se quer mudanças, esqueça Bolsonaro. Bolsonaro é Temer, e tudo continuará como está, na melhor das hipóteses.

segunda-feira, 22 de outubro de 2018

Bolsonaro só será destruído se chegar ao poder?

Infelizmente, todas as tentativas de derrotar o candidato neofascista Jair Bolsonaro está dando errado. cada vez mais ele tem encontrado condições de se livrar de encrenca e de empoderar apoiadores, que se sentem fortalecidos e livres para cometer suas atrocidades.

Nem mesmo as denúncias de financiamento suspeito conseguiram tachar o ex-capitão como um corrupto. Após o ocorrido, tratado como "fake news criado pelo PT", o candidato de extrema-direita voltou ainda mais fortalecido, com aumento nas pesquisas e manifestações populares com adesões cada vez maiores. 

O que está acontecendo para que um sujeito agressivo, bronco e sem propostas racionais obtivesse cada vez mais apoio popular, aumentando o risco de termos um governo fascista que eliminará direitos, destruirá a soberania nacional e levará o país em um retrocesso, cancelando tudo que aprendemos no século XX? Viramos masoquistas auto-destrutivos?

Impressionante que nem o alerta do mundo todo, incluindo direitistas como a equipe do The Economist e jornalistas pró-golpe como William Waack e Reinaldo Azevedo, conseguem convencer do perigo de se eleger um fascista como Bolsonaro. Para os admiradores do ex-capitão, direitistas anti-Bolsonaro são "vira-casacas que foram comprados pelo PT".

Bolsonaro e seus associados tem se mostrado uma máquina de fabricar besteiras. Mas com apoiadores mais ignorantes que seu ídolo, nada acontece contra o ex-capitão, que demonstra uma impressionante solidez. Ele não cai de jeito nenhum.

Bolsonaro só poderá cair se chegar a Presidência da República

A única coisa que pode fazer com que ele caia, por incrível que pareça, é ele chegar ao Palácio do Planalto. Além da presidência da república ser tradicionalmente uma vidraça onde todos adoram atirar pedras, observando o programa de governo de Bolsonaro, é uma certeza que ele fará besteira que afundará o país e prejudicará a maior parte de seus apoiadores.

Acontece que os apoiadores de Bolsonaro estão entre odiosos sedentos por um valentão no Poder Executivo nacional e desesperados preocupados exclusivamente com pautas moralistas, todos ignorantes políticos. Nenhum destes interessados no desenvolvimento nacional.

São pessoas que são facilmente seduzidas pela campanha publicitária de Bolsonaro, que consegue atingir quem tem a capacidade de discernimento bastante atrofiada. Anos de péssima qualidade de educação e desprezo pela intelectualidade, tratadas como coisa de gente chata, favoreceram um emburrecimento epidêmico que pode se tornar crônico.

Os fãs do "Coiso" estão tão hipnotizadas por uma figura como Bolsonaro, para elas uma espécie de "Salvador da Pátria", que não conseguem engolir facilmente qualquer coisa que desmascare o ex-capitão. Esses apoiadores são incapazes de se decepcionar facilmente com o ex-capitão, cuja imagem está associada a vários estereótipos considerados positivos pelos cidadãos médios.

Será que é preciso Bolsonaro fazer uma imensa besteira para causar decepção em seus eleitores? Espero que para que isso aconteça, esta imensa besteira não seja a mesma cometida por um maluco de bigodinho estranho que gerou imensos danos na Alemanha de 1930 e na história da humanidade.

terça-feira, 2 de outubro de 2018

Golpistas de todos os tipos se unem a favor de Bolsonaro

Mesmo que existam direitistas dispostos a fugir de Bolsonaro, em todas as classes que apoiaram o golpe, sejam celebridades, juízes, militares, religiosos, entre outros defensores dos interesses dos mais ricos, sempre há quem apoie o "Coiso". 

Muitos dos que apoiaram o golpe, desejosos de um Brasil que favoreça apenas as elites e parte da classe média que as apoia, deixando pobres e excluídos em miséria crônica, na falta de um "centrista" que os represente, resolveram assumir seu lado malvado e declarar o seu voto no truculento ex-militar.

Essas personalidades nem estão aí com o que vai acontecer com o povo ou com o país, embora vivam se justificando "pró-povo" e "pró-Brasil". Estas personalidades estão com o seu ganho mensal garantido e caso o país se exploda (o que tem grandes condições de acontecer sob o comando de Bolsonaro), eles pegam o primeiro avião para os EUA ou para a Europa, pois têm condições para isso. E o povo, como eles dizem: é só um detalhe. Só serve para servi-los e idolatrá-los.

A iniciativa serviu para provar que Bolsonaro é o candidato secreto de Michel Temer. O programa do ex-militar é exatamente o mesmo de Temer (mas de forma mais acelerada) e o partido que o acolheu, o PSL, foi o que mais votou a favor das decisões de Temer. Ou seja, Bolsonaro é a manutenção do golpe de 2016. Bolsonaro é Aécio, Temer e Cunha em uma só pessoa. Com a benção de uma horda de bem-vividos gananciosos.

Ou seja, é um banho de água fria em quem pensa que Bolsonaro é o "novo" e que vai mudar "tudo o que está aí". Sob a desculpa esfarrapada de "combater a corrupção", mata-se pobres e protege-se os privilégios dos mais ricos, desejosos em ter um Brasil somente para eles. Mesmo que tenham que destruí-lo antes.




segunda-feira, 1 de outubro de 2018

Direita se empenha em difamar quem ajuda os mais pobres

Curioso o fato de que segundo o senso comum, somente esquerdas são corruptas e somente governantes rompidos com os EUA são ditadores. A ultra-democrática Venezuela é acusada de ser uma "ditadura" só porque não obedece as diretrizes dos EUA. 

Enquanto isso, ditaduras como Israel e Arábia Saudita são "democracias" por estarem perfeitamente alinhadas com os interesses dos EUA. Aqui no Brasil, somente partidos progressistas (de esquerda) são "corruptos. Enquanto isso, a direita, tadinha, é "honesta" e "democrática", só porque ajuda os coitadinhos dos mais ricos, "tão batalhadores"...

Os mais ricos (grandes empresários, especuladores, banqueiros e magnatas em geral), verdadeiros mandantes da política mundial, pagam tudo e todos (incluindo a mídia corporativa) para espalhar mentiras de que o mal está do lado das forças políticas que ajudam os mais pobres. 

Se sentindo prejudicados com a possibilidade de redistribuição de renda, bens e direitos, os mais ricos lançam mão dos muitos recursos que possuem para inventar mentiras que troquem de posição forças políticas que trabalhem em prol do bem estar dos mais pobres. 

Enquanto isso, do outro lado, essas elites pagam todos em prol de uma propaganda que coloque virtudes a forças gananciosas que trabalham em prol dos mais ricos, reservando aos pobres apenas migalhas, como fazem filantropos de fachada como o tão adorado Chico Xavier, o melhor exemplo de falso filantropo a trabalhar em prol das elites.

Já os políticos que lutam por benefícios reais e não paliativos (como na caridade religiosa), são criminalizados através de mentiras. Como os jovens pobres que tem "plantadas" em suas mochilas drogas para que possam ser criminalizados e presos, políticos progressistas são envolvidos "na marra" em casos de corrupção para que possam ser tirados de circulação, deixando a gananciosa direita roubar em paz para sustentar os grandes magnatas, verdadeiros patrões da "honesta" direita.

As difamações, calúnias e mentiras que a grande mídia, sustentada pelos maiores magnatas do mundo, inventa sobre as esquerdas tem o objetivo de tirá-las de cena e deixar a política exclusivamente nas mãos das forças conservadoras (direita), que se auto-rotulam de centro, se esquecendo que centro também ajuda pobres (o que não se vê nas forças de direita).

Caso a política esteja exclusivamente nas mãos da direita, com a esquerda fora do páreo, os magnatas que mandam no mundo podem ficar tranquilos, perpetuando um sistema onde ricos vivem prosperamente e os pobres sofrem de forma crônica, encontrando todo tipo de obstáculos para sair da situação deplorável em que vivem.

Com a direita no poder, haverá ausência de políticas em prol dos mais pobres. Em seu lugar entram ONGs fajutas controladas por empresários gananciosos e religiosos que reservarão aos mais pobres apenas migalhas ou sortearão apenas alguns poucos pobres para que subam na vida para justificar a possibilidade na impossível lenda da meritocracia iludindo os muitos pobres com a possibilidade de um dia se tornarem, senão magnatas, prósperos como a confortável classe média alta.

E assim um mundo injusto se perpetua, para a alegria dos magnatas, tradicionais parasitas da humanidade, cujos malefícios são omitidos pela mídia sustentada por eles. Até porque nunca se deve direcionar o ódio humano para os verdadeiros bandidos que são os magnatas, escondidos em suas mansões e castelos, muito distantes das pessoas normais.

A triste adesão de busólogos aos ideais fascistas

O resultado da negligência de toda a sociedade com a educação, junto com o desprezo com a intelectualidade já apareceu e é altamente preocupante: a adesão de jovens a ideais fascistas, que pretendem eliminar boa parte da humanidade em prol de interesses e convicções de alguns poucos, mas sob a desculpa esfarrapada de "combater a corrupção, o roubo e os maus costumes".

Noto que a mentalidade progressista é uma raridade entre os entusiastas de ônibus. Não sei de certo qual o motivo disso, mas noto que ou entusiastas progressistas não existem, ou não se manifestam. Já os direitistas, sejam da linha moderada (PSDB e quejandos) e da linha extremista (Bolsonaro, Dalciolo), pipocam de montão. Vários busólogos já se manifestaram a favor do "Coiso".

Será que o motivo seria o culto à empresas. sabe-se que empresários são, por tendência, gananciosos e têm como meta pegar para si, seja honestamente ou não, a maior quantidade possível de dinheiro e direitos. Prefeituras - como os exemplos da Salvador e São Gonçalo, que eu conheço, já são reféns de empresários de ônibus e agem sempre em favor destes, até mesmo em assuntos alheios ao transporte.

Claro que é um exagero justificar a admiração de empresas com o direitismo. Eu, como administrador que sou, tenho que admirar as boas gestões , que colocam o bom serviço acima da ganância. Mas é perceptível entre os entusiastas a estranha admiração pelo "direito" de uns terem mais que os outros. A tolerância dos privilégios que tem a Auto Viação 1001(usar código do Detro de sete algarismos, usar código do Detro em linhas interestaduais, etc.) é uma boa prova disto.

Vários dos entusiastas, apesar da origem pobre, são pessoas que tiveram algum tipo de sorte na vida e se não enriqueceram, puderam ter uma vida razoavelmente confortável. Vários andam de automóvel, o que justifica um certo desprezo pela parte operacional dos sistemas de ônibus. Isso pode ajudar a explicar o direitismo de vários entusiastas, crentes na irracional lenda da meritocracia que diz que "todo próspero é um miserável que lutou e deu certo".

O que posso dizer é que o direitismo está em alta entre os entusiastas de ônibus (busólogos). Ao mesmo tempo que me entristeço com isso pois ser de direita é ser egoísta e querer que os pobres, excluídos e mais fracos se virem para vencer na vida, sem qualquer tipo de impulso. 

Eu me assumo progressista (de esquerda) e sempre penso nos outros, chagando a reivindicar melhorias no transporte que nada tem a ver com as áreas e linhas que utilizo. O pensamento de direita deveria ter sido extinto, pelo compromisso com a ganância e com o retorno ao passado, recusando o progresso humanitário que deveria ser natural. Afinal, nada mais reprovável que entrar no século XXI desejando o retorno de valores típicos da idade média.

É mais do que necessário repudiar qualquer tipo de ideologia, seja moderada, seja extrema, que tenha a intenção de prejudicar grande maioria das pessoas. É mais do que sabido que os ideais de direita são gananciosos e de certa forma, sádicos, além de desejar uma volta a um passado bastante remoto, o que justifica o rotulo de conservadores dado aos direitistas.

O século XXI exige progresso e pede passagem. Se os conservadores não mudarem de ideia, serão facilmente atropelados pelo progressivo transporte que reprova retrocessos. Veículos andam sempre para frente, nunca para trás.