domingo, 22 de março de 2015

Que vantagem tem em alguém ser chamado de "nerd"?

Ultimamente parece que todos querem ser chamados de "nerd", como se ao assumir esse rótulo, eles adquirissem algum benefício ou privilégio. O rótulo entrou na moda por causa da sua insistente associação com tecnologia, ficção científica e história em quadrinhos, sobretudo as de super-heróis.

Mas o que querem essas pessoas em se auto-considerarem "nerds", se quando surgiu, esse rótulo era considerado pejorativo, por se referir a pessoas com trejeitos estranhos e dificuldade de adequação à regras sociais e por consequência, com grave dificuldade de conquista e inclusão social?

E nem a tecnologia serve como explicação para o fenômeno, já que pessoas de todos os tipos são naturalmente inclinadas para a tecnologia, principalmente nos dias de hoje, onde tecnologia virou coisa de ser humano, em todos os aspectos.

Vou tentar entender o porquê disso, pois é estranho esse súbito fascínio por um rótulo outrora tão depreciador.

segunda-feira, 16 de março de 2015

Nerd de "Victorious" se junta aos nerds mais famosos da atualidade

O seriado Victorious, protagonizado pela estonteante morenaça Victoria Justice, tinha um nerd, Robbie Shapiro, interpretado por Matt Bennett, que vivia andando com um boneco ventríloquo que fala e agia por conta própria. O seriado acabou, mas não a oportunidade de Bennett continuar fazendo um nerd. 

Foi anunciado esta semana que Bennett foi contratado para entrar em The Big Bang Theory, fazendo Josh, o irmão mais novo de Howard, personagem de Simon Helberg. Ele entrará para substituir a falecida Carol Ann Susi, que fazia a mãe do Howard. É que Simon precisava de outro ator para interagir nas cenas em sua casa particular. Um irmão mais novo para Howard criará situações interessantes que aproveitarão bem o talento não apenas de Simon, mas também de Matt, responsável por alguns dos momentos mais hilários de Victorious.

Uma curiosidade: Robbie Shapiro, além de ser um nerd típico, tinha intolerância a lactose como Leonard (Johnny Galecki) e não conseguia conquistar as mulheres como Raj (Kunal Nayar), mas era alto, magro e um tanto auto-confiante como Sheldon (Jim Parsons).

Tomara que a entrada do novo personagem possa devolver dinamismo ao seriado, que piorou bastante por estar focado nas relações amorosas dos personagens, transformando o The Big Bang Theory em uma novela mexicana.

Contudo, Matt Bennett vai se dar bem no seriado. Está perfeitamente integrado à turma.

domingo, 15 de março de 2015

Porque brasileiros que se acham nerds são tão diferentes dos originais ianques?

Parece que a cultura nerd chegou distorcida no Brasil. E isso nada tem a ver com o fato da maioria dos nerds ser míope.

As características atribuídas aos nerds no Brasil, diferem bastante em relação aos nerds originais que vemos em filmes como Vingança dos Nerds e em seriados como Big Bang Theory. Já escutei e li várias vezes brasileiros reclamando que nestas obras os nerds são muito estereotipados. Será?

Para a maior parte dos brasileiros, "nerd" é aquele cara meio fora de forma que gosta de quadrinhos, cinema e é viciado em computador. Até aí tudo bem, já que o original também é assim.

Mas, os brasileiros contestam a imagem de dificuldade social do nerd original. Para o brasileiro, nerd nunca foi vítima de bullying, tem muitos amigos, gosta de noitada e de futebol e vive enchendo a cara todo final de semana. Como vê, igualzinho aos integrantes da fraternidade Alfa-beta (formada por playboys esportistas) que nos EUA, vivem rindo dos seres de "quatro-olhos".

Parece que aqui no Brasil é mais fácil de ser nerd: nerd não tem dificuldade social, não é vitima de bullying, etc. Mas algo está errado, pois estamos carecas de saber que - em vários setores da sociedade - a sociedade brasileira é uma "democracia" de fachada. Pelo contrário, aqui é mais difícil de ser nerd e posso explicar isso.

O negócio é o seguinte: o nerd verdadeiro, vítima de bullying, desprezado por mulheres e ridicularizado pela sociedade, é considerado "exagerado" pela mesma sociedade. Como no Brasil, todos adoram posar de "vítimas" para conseguirem privilégios, pega-se o rótulo "nerd", entrega a uma pessoa comum que está fora de forma e deixa o verdadeiro sem rótulo, como se fosse um "sem teto social", um "sem amigos".

Aí, toda vez que algo benéfico for referido a nerds (a tecnologia transformou os nerds, experts em computadores em pessoas admiráveis), aqueles que não tem a "ridicularidade" de ser associais ( não confundir com anti-social, de comportamento cruel - o associal não prejudica a sociedade, mas não possui vida social) tomam o lugar, mantendo os verdadeiros nerds presos nas condições onde se encontram. É o picareta tomando o lugar do legítimo.

É preciso estabelecer a diferença entre os verdadeiros nerds e aquelas pessoas normais que gostam de quadrinhos e informática. Reconhecer as dificuldades dos verdadeiros nerds significa ajudá-los a serem incluídos socialmente, obtendo e oferecendo benefícios à sociedade.

Quem já possui uma boa vida social não depende de ajuda. Mas querer posar de excluído faz com que os verdadeiros excluídos continuem nessa exclusão.

Portando aqueles que não tem a dificuldade de sociabilização nunca podem se rotular de nerds, para que aqueles que realmente estejam excluídos da sociedade possam, ao assumir seu rótulo, terem a oportunidade de resolver seus problemas e viver com dignidade.

Por mais bobo que possa ser o "estereótipo" ianque do nerd, ele reflete uma realidade triste que deve ser levada a sério e resolvida com a maior rapidez. Pensem nisso.

Programa de computador decifra idioma que desafiava especialistas

OBS: Pesquisar e decifrar novos idiomas é uma das muitas aptidões dos formados em Letras. Quem não conhece o conteúdo teórico da Faculdade de Letras pensa que o estudante passa 4 anos re-estudando a gramática para depois virar professor. Nada disso.

Linguas, como parte principal de nossa fala, representam muita complexidade e há muito o que se estudar sobre elas. Desde seu histórico, suas características, as diferenças entre os diversos tipos de falantes, inclusive entre as classes sociais e muitas outras coisas. Línguas também podem identificar costumes e tradições.

A descoberta do idioma ugarítico pode revelar muitas coisas a respeito do povo que a utilizava e o desenvolvimento dos idiomas falados até hoje na região.

Programa de computador decifra idioma que desafiava especialistas

Do G1, em São Paulo - 02/07/2010 09h53 - Atualizado em 02/07/2010 15h32

Computador leva horas para fazer trabalho de anos por parte de linguistas. O "ugarítico" foi utilizado há 3,5 mil anos na região da Síria.

Um programa de computador desenvolvido por especialistas do MIT e da Universidade da Califórnia decifrou em poucas horas a língua ugarítica, idioma utilizado na cidade de Ugarit, localizada na atual Síria, há 3,5 mil anos.

Para realizar o mapeamento, o software utiliza instruções básicas para intuir a estrutura da língua. O resultado está ligado à semelhança do idioma morto com alguma língua conhecida. No caso do ugarítico, o hebraico foi utilizado para a comparação.

Entre as 30 letras do alfabeto ugarítico, o computador identificou corretamente 29 delas. O programa também obteve bom desempenho ao acertar 60% das palavras de um terço do total da língua ugarítica, parte que apresenta cognatos correspondentes no hebraico.

O trabalho desenvolvido pelo computador não leva em conta dicas contextuais. Significa dizer que o programa não sabe distinguir os diversos usos que uma palavra pode tomar. É o caso de "filha" e "casa", ambas grafadas no ugarítico da mesma forma.

Revelado em 1929 por uma equipe de arqueólogos franceses, o idioma tem letras que lembram o formato do alfabeto cuneiforme, mas a identificação foi realizada com base na similaridade com o hebraico.

O estudo pode ser conferido na íntegra aqui (em inglês).

sábado, 14 de março de 2015

20% dos homens pegam 80% das mulheres

OBS: Vejam esta estória pega no Orkut que mostra a triste verdade por trás das conquistas afetivas no Brasil. E isso é o que a maioria das pessoas chama de "amor".

As regras sociais impostas aos homens na hora de arrumar namorada favorecem uma pequena minoria de galanteadores talentosos que acabam por pegar boa parte das mulheres, deixando apenas as burras e feias para os que não se enquadram nas regras de conquista. A corrida pelo sucesso afetivo também tem o seu lado cruelmente injusto. E é inútil tentar negar isso.

Para ilustrar a postagem, o cara usou como exemplo a praia mais famosa da minha cidade-natal, Florianópolis, que tem  horrendo nome de Jurerê Internacional, o paraíso dos burguesinhos branquelos de Santa Catarina e arredores e "Meca" brasileira da orgia irresponsável. Tô fora!

20% DOS HOMENS PEGAM 80% DAS MULHERES

Por Jhonatas - Extraído do Orkut (Comunidade: Mulher só gosta de homem babaca, 2011)


Silvio esta certo quando diz que 20% DOS HOMENS PEGAM 80% DAS MULHERES.

Vou relatar aqui como eu constatei a veracidade desta polemica estatística Silvirina e, consequentemente, matei de vez na minha mente o mito da escassez de mulheres.

Antes de relatar os fatos eu preciso descrever o perfil da minha prima, bonita, gostosa, extremamente arrogante e autoritária nos relacionamentos, do tipo que frequenta as melhores festas de camarote, sem entrar em filas nem pagar nada. Eu tinha pena do ex-namorado dela, só faltou ela limpar os pés na cara dele antes de chutá-lo sem dar maiores satisfações (e olha que o cara tinha um certo status como advogado).

Agora vamos ao relato. Tenho parentes em Itajaí/SC e neste domingo fui visita-los. Acabei sendo convidado pela minha prima (esta que descrevi) e uma amiga dela para ir até Florianópolis pois elas queriam ir na praia de Jurerê Internacional, aceitei o convite e fui. Pra quem não conhece a tal praia (Jurerê Internacional) eu digo com toda certeza que lá é o maior inferno do homem mediano aqui neste país, se eu estiver falando besteira o próprio Silvio pode me desmentir aqui já que fica na terra dele. Mulheres absurdamente lindas e gostosas pra todo lado (tipo capa de revista mesmo), maioria dos caras na praia são bombados, modelinhos ou ricos/milionários (ou tudo junto), carros importados (Lá é comum ver Ferraris circulando pra todo lado), mansões de milionários, iates luxuosos, helicópteros particulares e todo tipo de ostentação de poder e riquezas. No caminho ouvi elas dizendo que iam encontrar um cara lá, e ficaram a maior parte do tempo só falando nesse cara, nunca vi minha prima babando pra macho nenhum daquele jeito e isso me chamou a atenção.

Chegando lá minha prima ligou pro tal cara pra saber onde ele estava, engraçado é que ela sempre fala que não liga pra homem nenhum, mesmo pro ex-namorado ela raramente ligava. E com o tal cara até o tom de voz dela no telefone era diferente.

Chegando lá achamos o cara, o tipo físico dele era similar ao q o Silvio descreve como sendo o preferido entre as mulheres (com exceção de ser careca, tinha cabeça raspada a maquina) e ele tava junto com mais 4 mulheres num guarda-sol, minha prima ficou visivelmente abalada ao ver este cara e inclusive nem se importou que ele tinha outra mulher sentada no colo dele! Minha prima que eu conheço como mulher ciumenta, possessiva e autoritária nos relacionamentos NEM DAVA BOLA pras outras mulheres que estavam com o cara.

Ela (minha prima) Ficou irreconhecível pra mim, parecia outra mulher, fiquei estarrecido ao ver tamanha mudança no padrão de comportamento dela. Ficava o tempo todo tentando puxar assunto, agradar, dando risadinhas, concordando com tudo o que ele dizia...dando sinais de passividade total! Vejam só...a mesma mulher que pisa na cara dos homens estava de quatro feito uma cadelinha mendigando atenção. Enquanto o cara não retribuía a atenção dela na mesma proporção, ficava mais na dele, e ainda dividia a atenção com outras. O cara falava comigo sobre mulheres e coisas que ele já aprontou NA FRENTE DE TODAS e sem constrangimento nenhum, e nenhuma delas se incomodava com isso!! O cara deu ate umas metidas de real sobre relacionamentos aí acabou dando assunto, coisas q eu falava pra minha prima e ela sempre contestava, mas quando o cafa falou ela consentia com tudo!!! Ou senão se calava. Vejam q pilantra!

Agora vou chegar ao ponto principal do tópico, sobre a estatística de 20% dos homens ficarem com 80% das mulheres. Ao olhar na minha volta pude constatar a mesma situação se repetindo, outros caras com varias mulheres em volta (elas pareciam moscas no açúcar). Enquanto os poucos betas medianos que se atreviam a passar por lá eram invisíveis. Nos iates ancorados próximos a praia tinham no máximo 3 homens e dezenas de mulheres. Na parte mais VIP do Taiko (lounge na beira da praia) era uma mesa com 1 ou 2 caras e de resto só mulher dançando em volta. Enfim, a tal estatística do Silvio estava sendo esfregada na minha cara a todo momento. Nem preciso dizer que fiquei invisível, pq militar de infantaria só é lembrado na guerra, em tempo de paz somos um nada pra sociedade, essa é a realidade e admito isso.

Se não bastasse minha prima voltou toda satisfeita pra casa (mesmo sem ter ficado com o cara, nem ter tido atenção exclusiva). Eles marcaram de sair juntos outro dia só os dois (olha minha prima antes soberba e orgulhosa agora se sujeitando a ser "estepe" do cara) e ainda por cima ela colocou fotos do cara no álbum do facebook dizendo q o cara é uma pessoa especial (ela mal conhece o cara porra!!!), coisa que ela JAMAIS fez com o ex-namorado que a tratava feito uma rainha e só recebeu migalhas e humilhações.

Pra quem ainda é cético com a tal estatística eu recomendo passar um final de semana na praia de Jurerê Internacional para sanar as duvidas.

sexta-feira, 13 de março de 2015

Acabou a ira dos beatos, mas não acabou a piada


Jared Leto, famoso galã de cinema e músico líder da banda 30 Seconds to Mars (de que eu virei fã), há tempos era alvo de piadas por estar usando o visual que lembra o esterótipo católico do Jesus Cristo mítico, muitas delas incomodando cristãos mais fanáticos.

Depois de um tempo como "clone" de Jesus Cristo, que fez muitas mulheres que admiram barbudos de cabelo comprido suspirarem, Leto teve que mudar o visual para um novo papel em um filme de heróis da DC Comics (OBAAA!!!), onde interpretará um vilão famoso.


Só que Leto se livrou das comparações com Jesus, mas não das piadas. O novo visual, somado a novo jeito de vestir, o fizeram um clone rejuvenescido do veterano estilista de da Karl Lagerfeld.


Para piorar ainda mais a comparação, Leto, antes de virar "clone" do estilista, havia se encontrado com o próprio em mais de uma ocasião, o que deve ter reforçado ainda mais as piadas, como se Leto tivesse usando o encontro para buscar inspiração para o novo visual.

Bom, Leto virou o mestre dos disfarces e o rei das piadas. Não sabemos qual será a nova mutação após isso. O que se sabe é que a caixa de entrada dos e-mails do ator deve estar entupida com piadas comparando-o com alguma personalidade conhecida. Coitado.

sexta-feira, 6 de março de 2015

Testemunha diz que OVNIs são inter-dimensionais e não extraterrestres

OBS: Segundo livros que eu li, não há como um Ovni ser material, como o nosso. Os planetas vizinhos ao nosso não são habitados por humanos (pelo menos materialmente) e as naves seriam muito pesadas e lentas se fossem materiais e teriam que vir de localidades próximas. 

Não há uma conclusão sobre isso. A única certeza é que não são materiais. Até a maneira de como aparecem ou somem dá uma pista sobre isto.

Testemunha diz que OVNIs são inter-dimensionais e não extraterrestres

16/08/2012 - Por Raymond Samuels - Tradução extraída do site Ovni Hoje, por n3m3

Um morador de Ontário, no Canadá, diz acreditar que os OVNIs possam ser inter-dimensionais, e não extraterrestres.

A testemunha relatou ter visto OVNIs entrando em um aparente portal inter-dimensional, no dia 28 de abril de 2012, de acordo com depoimento documentado no banco de dados da Mutual UFO Network (MUFON).

Ele diz ter observado OVNIs quase toda a noite pelos últimos dois anos. “Esta página de relatórios não possui muito espaço — ela é apropriada para um avistamento e eu queria relatar múltiplos avistamentos, quase todas as noites, pelos últimos dois anos.  Onde um moro se tornou uma ‘área quente’ de avistamentos de OVNIs“.

“Sentamos em nossas cadeiras de jardim, no jardim da frente à noite e observamos o céu, e eles sempre aparecem.  Algumas vezes eles ficam parados e emitem uma luz tão forte que nos cega”, disse a testemunha confirmando que outra pessoa também presencia os avistamentos com ele.

A testemunha alega ver OVNIs que viajam para dentro e para fora da atmosfera da Terra regularmente. “Muitas vezes vemos estes OVNIs saindo da atmosfera terrestre e entrando no espaço.  Naquele momento, eles se parecem com satélites cruzando os céu.  Este tipo de comportamento é comum, e as vemos isto o tempo todo“.

Ele também alega ter visto OVNIs de cores diferentes. “As cores que vemos são na maior parte vermelho, azul, verde e branco brilhante“.

Também relatou a testemunha ter visto OVNI de cor alaranjadas a seguir aviões, inclusive em pela luz do dia.  “Duas noites atrás vimos um de cor alaranjada seguindo um avião.  Esta manhã foi o primeiro que vimos durante a luz do dia”l

Então, uma noite, a testemunha viu algo fora do normal.  Ele relata ter visto um portal inter-dimensional se abrindo.  “Eu testemunhei uma passagem inter-dimensional se abrindo no ar, acima to meu telhado.  Até então, nada fora do normal havia ocorrido nesta parte do céu.  Por volta das 22h00, quando estava a alguns passos da porta da frente da minha casa, eu comecei a ver um luz brilhante no céu, a qual chamou a minha atenção.  O OVNI se tornou muito brilhante, e então, tão rapidamente quanto o tempo que levou para eu notar aquele OVNI, ele diminuiu sua intensidade para uma luz vermelha e se moveu verticalmente no céu.  Eu diria que a altitude era de uns 300 metros, talvez menos.  À medida que ele se movia vagarosamente, o tom vermelho da luz começou a diminuir.  Eu segui este OVNI com meus olhos.  Eu fiquei com meus olhos cravados nele.  Após aproximadamente 30 a 45 segundos, eu comecei a notar um movimento na esquerda.  O movimento pareceu estar reagindo à presença do OVNI que eu estava vendo. Eu pude ver ambas as coisas no meu campo de visão”.

Então, ele notou uma atividade diferente associada ao céu.  “O céu abriu, como um cobertor quando é puxado para trás para você entrar na cama.  As estrelas desapareceram do céu noturno no local onde esta abertura apareceu do nada, como uma porta se abrindo.  Quando eu olhei para o OVNI entrando neste aparente portal inter-dimensional, ele estava ficando mais e mais apagado à medida que entrava neste buraco escuro“.

Então, o céu voltou ao normal. “Quando o ele desapareceu de vista, o céu dobrou de volta ao normal e as estrelas nesta área reapareceram.  Este foi o avistamento mais exótico que já tive.  Tendo avistado este fenômeno, eu firmemente acredito que estes sejam seres inter-dimensionais e não extraterrestres.”

Nenhuma imagem ou vídeo foram incluídos no relatório enviado à MUFON em 25 de abril de 2012.

quinta-feira, 5 de março de 2015

A falsa cultura e o nascimento do patinho órfão

Existe uma lenda que diz que se um filhote de pato, ao nascer, romper a casca do ovo na ausência da mãe, adota como tal a primeira coisa que ele vê ao encarar pela primeira vez a luz.

Os brasileiros pelo jeito agem da mesma forma em relação à cultura. Nomes do hit parade, criados apenas para gerar renda, frequentar paradas de sucesso, estão sendo tratados como "grandes criadores de obras primas" pelos brasileiros que, carentes de uma cultura legítima, resolveram colocar a falsa em seu lugar.

Quem entende de música sabe muito bem que a cultura musical se encontra nume incessante e vertiginosa decadência. Mas o que preocupa é que com o surgimento de coisas cada vez piores, o ruim de antes passa a ser tratado como se fosse "de qualidade" simplesmente porque apareceu algo pior depois.

Não dá para levar a sério produtos criados e/ou desenvolvidos por escritórios de gravadora. As pessoas deveriam saber que muitas músicas não nascem de "inspiração divina", como uma maçã que cai no colo de quem está sentado embaixo da macieira.

Na música de mercado, aquela feita para as rádios e que tem como finalidade a vendagem de discos e produtos relacionados, além de ingressos para concertos, as músicas são na verdade peças publicitárias, criadas ao "gosto do freguês", para garantir que o produto seja vendido, na marra. Muitas dessas músicas nem são compostas pelos artistas, são compostas por executivos ou compositores profissionais que após muita pesquisa de mercado, criam as canções na ausência dos seus cantores e entregam a eles, muitas vezes com a assinatura do próprio cantor, para que os fãs pensem que a "obra prima" saiu da mente dele.

O desconhecimento dos bastidores da música de mercado tem criado uma ingenuidade nos fãs brasileiros que passam a acreditar que aquele produto desenvolvido nos escritórios das gravadoras é um "artista" como se o que ele canta fosse algo bem pessoal e não é.

Isso não acontece só na música brasileira, mas principalmente nos EUA, onde surgiu a música de mercado. Há todo um marketing falso para levar a crer que o que aquele artista canta sai de sua alma. Nada. Pura publicidade. Tanto é que publicitários trabalham junto com esses produtos comerciais para que todo o processo de persuasão possa dar certo, fazendo crer que o tal "artista" é um "porta-voz" dos anseios de seus ingênuos fãs.

A música de mercado é necessária, pois é ela que vai entreter as pessoas que tem o intelecto e o conhecimento cultural bastante atrofiados. O que não pode é a música de mercado ser tratada como a "verdadeira cultura" como se de canções tolas e de letras inócuas, feitas apenas como mera distração, pudesse se tirar uma grande lição de vida. A música de mercado é o fast food da música, todos gostam, mas não nutre nada.

A música de qualidade verdadeira, aquela que representa a cultura legítima, existe, mas está totalmente desconhecida do grande público. Este, sedento por cultura de verdade, não encontra um representante desta nos meios de comunicação que chegam ao seu acesso. os verdadeiros nomes da cultura são quase inexistentes para a grande mídia. Na falta desses legítimos artistas, coloca-se o falso no lugar e cria-se todo um conjunto de lendas e mitos que fazem um produto se transformar num "poeta da música".

Isso está destruindo a cultura mundial e ajudando ainda mais a atrofiar a já reduzida inteligência da maior parte da população, que crédula, ainda acredita que a evolução cultural se dará através da eliminação de todo o aprendizado rico gerado na década de 60, com certeza a melhor década de todas na história da música.

terça-feira, 3 de março de 2015

No Brasil, mulheres de bom gosto cultural costumam ser arrogantes e interesseiras

Havia escrito em outra postagem sobre uma jovem atriz não muito famosa, de jeito simples e estilo de vida modesto, que demonstrou ter bom gosto cultural. Lá fora, em outros países,  tem aparecido várias e muitas delas com estilo de vida simples e amigável. Claro, sociedades bem educadas estimulam a valorização da cultura e o desenvolvimento da intelectualidade.

Mas aqui no Brasil, pátria do Complexo de Vira-lata (quando as pessoas assumem uma falsa vocação para o fracasso), ter bom gosto é sinônimo de elitismo. Gostar de coisas mais bem feitas e/ou mais intelectualizadas é visto erroneamente como desejo de se afastar da humanidade, um sinal de "preconceito" e"antipatia". Para ser simpático e humanista, temos que gostar do que a nossa "cultura" (ou seja lá qual nome ele tiver) produz de pior.

Trocando em miúdos, ter bom gosto é considerado elitista, pois para muitos, apreciar uma boa cultura é "se isolar das outras pessoas". Esse pensamento é ruim, pois estimula a estagnação intelectual da população, já que o normal para os "vira-latas" que habitam o Brasil é ser burro e de mau gosto e tentar se evoluir intelectualmente e eticamente é "se afastar da humanidade". Humanidade que continuará aprisionada na sua burrice e imbecilidade crônicas.

Falei isso porque ajuda a explicar orque no Brasil, as mulheres de bom gosto cultural quase sempre são interesseiras, enquanto as mulheres mais acessíveis costumam ter péssimos referenciais de cultura.

Cultura de qualidade é cara no Brasil

Claro que consumir cultura de verdade é mais caro. Bem mas caro. O comércio brasileiro, naturalmente explorador, costuma cobrar mais pelo melhor. É fácil encontrar um disco de um fanqueiro X a 10 ou até a 5 reais. Mas CDs dos Beatles não saem por menos de 36 reais, mesmo colocados cada um em uma reles e frágil embalagem de cartolina, sem a caixa de plástico protetora.

Mas mesmo assim é um exagero as mulheres de bons referenciais de cultura serem interesseiras. Só se casam com profissionais liberais ou que trabalham em cargos de comando (diretores, empresários, executivos). Mas como assumir ser interesseira pega mal - e muito mal - argumentam elas que têm que se casar com homens dos mesmos níveis culturais dos delas. ALTO LÁ! Algo precisa ser explicado.

Liderança masculina não é sinônimo de evolução cultural

Isso e desculpa esfarrapada. Primeiro, porque mulher não escolhe homem pelo nível cultural. Mulheres brasileiras, sejam de que classe econômica forem, são todas educadas a priorizar aspectos de proteção e sustento. As que fogem dessa "educação" fazem por decisão própria, por adquirirem senso de ética e de respeito humano.

Segundo: quem disse que homens profissionalmente privilegiados tem boas referências de cultura. Um e outro podem até ter, vai lá. Mas a maioria, por incrível que pareça, não está nem aí para cultura. Para eles, "musica" é o tilintar das caixas registradoras. "Cinema" para eles é ver subalternos ajoelhados diante deles. Ou ainda melhor: "Cinema" só o pornô feito dentro dos seus luxuosos quartos, protagonizados pelos mesmos "respeitáveis" líderes dos homens, ao lado de suas mulheres, cobiçadas pela maioria dos pobres mortais. 

Ou seja: líderes e profissionais liberais não gostam de cultura. Vivem e morrem pela profissão que lhes dá stats e chega a substituir o caráter nulo de suas personalidades. Fingem que gostam de cultura para não pegar mal (eles necessitam de prestígio social para obter poder e comandar). Para eles cultura é ter poder, dinheiro,, mandar em tudo, comprar tudo e comprar todos e ter belíssimas e inteligentes mulheres (tratadas como objetos integrantes de seus patrimônios) para poder exibir aos sócios (líderes não possuem amigos), pois homens solteiros nunca são bem vistos, consequentemente perdendo poder por causa disso.

Alguns privilegiados, quando se interessam por lazer, agem como a maioria dos homens, se limitando a bebidas alcoólicas e a futebol, ouvindo musicas de péssima qualidade e assistindo filmes sisudos.

O que elimina o mito de que as mulheres de boa cultura escolham homens pelo seu nível cultural. Elas nem estão aí para isso. Elas querem é alguém que possa levá-las a lugares mais caros, de "alta cultura" (nome pejorativo que a ralé e seus simpatizantes chamam a cultura de boa qualidade), pois sabem que no Brasil, consumir boa cultura costuma ser mas caro.

No Brasil, interesse por boa cultura é mais elitismo do que desejo de evolução intelectual

Infelizmente, no Brasil, homens de bom nível cultural e pouca grana não conseguem conquistar mulheres com boas referências culturais. Muitos têm que tolerar mulheres meio burraldas para não ficarem sozinhos. Mas na hora de usufruírem de uma boa cultura, acabam por ter que fazer sozinhos, longe de suas mulheres.

Voltando às mulheres de bom nível cultural, o que me surpreende, é que no Brasil, as mulheres não se interessam por boa cultura para se evoluírem como seres humanos, mas para serem elitistas mesmo. A intenção delas é fingir que são melhores que o resto da humanidade, usando o gosto cultural como "prova" de que esta tese absurda é verdadeira.

E reparem que elas não dão sinais de que querem melhorar a si mesmas e o mundo ao redor. O fato de serem elitistas e interesseiras, casando por antipáticos e arrogantes homens de negócio que não costumam se afeiçoar por boa cultura, já prova que evolução de caráter não é com elas. Na verdade, são burras de elite, tão burras quanto as outras (apenas mais oportunistas) querendo se passar por "sábias".

Pena que no Brasil, ter uma boa cultura não ajuda a desenvolver o intelecto. Fiquemos entre as burras de elite e as burras da ralé. Homens, escolham a sua opção favorita.

domingo, 1 de março de 2015

Perdi um amigo que eu não tive

Quando eu era criança, um dos programas que gostava mais de assistir era o seriado Jornada nas Estrelas (Star Trek, no original). Quase não entendia nada daquilo, mas mesmo assim me divertia. Com o tempo fui entendendo e gostando mais ainda. Embora não seja um especialista trekker, me tornei fã da saga e sempre vejo quando encontro oportunidade, o seriado, os filmes e os spin-offs criados com o nome da saga.

Desde a infância, o personagem que mais chamou minha atenção era o Senhor Spock, que eu chamava na época de Doutor Spock. Claro que a aparência estranha e o jeitão de cara meio chateado eram  motivo. Mas com o tempo a admiração pelo orelhudo personagem ia aumentando, conforme eu fosse entendendo a função dele no seriado.

Essa admiração, além de aumentar, se estendeu ao ator. Apesar de conhecido por fazer Spock, fazendo muitos pensarem que fosse seu único personagem, Nimoy tinha uma carreira vasta, fez westerns, filmes bíblicos e ainda emprestou a sua cara de Spock ao Ford do telefilme baseado no famoso livro Admirável Mundo Novo, de Aldoux Huxley, que prevê a sociedade atual, ora em metáfora, ora em previsões literais, e que inspirou muitas outras obras, além do nome deste blogue. O nome do personagem não pode ser citado no telefilme para não criar problemas com a famosa marca de carros. Mas quem leu o livro, sacou que Nimoy era Ford.

Nimoy também era fotógrafo profissional (assim como o cantor Bryan Adams, outro que admiro) e poeta. Em ambas, deixava aflorar a sua surpreendente sensibilidade, coisa que justamente o seu mais famoso personagem não possuía. Tentou uma fracassada carreira musical, que foi para  ralo por não ser a vocação natural do talentoso ator. Mas o seu mais admirável papel estaria na vida real, como o simpático cidadão Leonard Nimoy.

Como gostaria de envelhecer como Nimoy. Jovial, angariou grande popularidade, graças a Spock. Não se vestia como velho e nem agia como tal, conquistando fãs e amigos cada vez mais jovens. Do contrário que se poderia esperar, ele adorava participar de eventos de ficção científica e não se incomodava em ser lembrado como "o eterno Senhor Spock".Afinal, Spock lhe abriu as portas e he trouxe fãs e consequentemente amigos.

E muitos amigos. Sua simpatia e jovialidade lhe permitia converter muitos fãs em amigos. Mantinha contatos com todos eles. Adorava a tecnologia e utilizava as redes sociais, que foi o meio que encontrou para a sua última despedida.

E para mim, ele foi o amigo que eu nunca tive. "Mas como? Ele nunca te conheceu, nem sabia que você existia!" perguntarão alguns a mim. Mas com certeza foi um grande amigo. Pelo menos era o que me parecia.

Ele me ajudou a entreter durante a infância. Seu exemplo de jovialidade e de sensibilidade me serviram como lições de vida. A personalidade do ator e o modo como encarava a cultura nerd, provam da capacidade de Nimoy ter sido meu amigo.

Tenho a certeza que Nimoy teria sido meu amigo se me conhecesse. Para mim, ele só representou alegrias. E mais, representou um grande exemplo de como envelhecer com dignidade, sem negar suas características pessoais. Envelheceu sem deixar de ser Leonard Nimoy.  Envelheceu sem deixar de ser Spock.

Sinto que eu perdi um amigo. Eu sou seu fã, mas poderia ter sido muito mais. 

E tenho a certeza que ele não morreu. Não, pois a morte não existe. Spock recebeu chamado do povo volcano e retornou a seu planeta. A nave veio, Spock se apresentou e teve que ir, após deixar uma curta, mas bela mensagem de despedida: "A vida é como um jardim. Momentos perfeitos podem existir, mas não  ser preservados, exceto na memória. LLAP, ". Brilhante.  Os verdadeiramente sábios costumam falar muito usando poucas palavras.

Nos veremos um dia em Volcano, Senhor Spock. Obrigado.