sábado, 30 de novembro de 2013

Aplicativo Lulu pode declarar a guerra dos sexos!

O aplicativo Lulu já chegou fazendo barulho. Criado como uma espécie de banco de dados para celular, onde as mulheres avaliam as qualidades e os defeitos dos homens que conhece, tem feito com que muitas dessas avaliações estragassem a privacidade de vários homens , além de transformar os resultados das avaliações em rótulos que estragam a reputação de vários deles, podendo gerar danos incalculáveis.

Se um rapaz é mal avaliado, ele pode ser imediatamente rejeitado socialmente, tendo que perder empregos e os benefícios da vida em grupo, incluindo a vida afetiva. Um desastre.

Parece que já aparece uma reação ao Lulu, além dos processos na Justiça e dos pedidos de cancelamento dos perfis criados com o aplicativo. Brasileiros já começam a criar o Tubby, onde os homens poderão avaliar mulheres conhecidas. Ainda não foi confirmada a criação deste aplicativo, mas só esta notícia já sinaliza que uma violenta guerra dos sexos está para começar.

Se já não bastasse que hoje em dia ninguém mais se casa por amor, imagine quando esta guerra começar a transformar a vida social de todos em empoeiradas ruínas? Não sobrará pedra sobre pedra. Quem viver, chorará.

quinta-feira, 28 de novembro de 2013

Lulu: os homens estão sendo avaliados..

Um novo aplicativo está se tornando coqueluche entre as mulheres: Lulu. Neste aplicativo para celular, as mulheres avaliam homens conhecidos pelo que elas definam como qualidades e defeitos. As avaliações chegam ao conhecimento dos tais homens. 

Ele já chegou ao Brasil e as mulheres daqui imediatamente aderiram ao aplicativo. Num país onde o social conta muito, é uma maneira de criar uma espécie de Hit Parade dos homens considerados interessantes. Só que tem um detalhe: brasileiro é tradicionalmente modista, só gosta de seguir a maioria. Os homens bem avaliados pela maioria das mulheres poderão ter ainda mais exclusividade no sucesso afetivo, algo que já acontecia antes mesmo do Lulu, a ser agravado após a avaliação do aplicativo.

Fico imaginando como eu seria avaliado. Acho que não seria bem avaliado. Não correspondo ao estereótipo do homem interessante, além de ter ideias e opiniões que diferem dos homens bem sucedidos (que estranhamente costumam não ter opinião própria, preferindo imitar amigos, sociedade e líderes que eles admiram). Nem quero ver como as mulheres me avaliam, pois tenho perfil no Facebook, condição mínima para um homem poder ser avaliado.

Mas se quiser saber mais como é esse tal de "Lulu", clique aqui e fique a vontade para me esculhambar. Eu mereço...

domingo, 10 de novembro de 2013

Justin Bieber veio rir da cara dos brasileiros

Brasileiro tem má fama lá fora. Conhecido por ser um povo fútil, alienado e submisso, que coloca supérfluas formas de diversão acima de tudo e que só gosta de festa, sexo, cerveja e futebol, tem a sua fama gerada por contribuição própria, pois age sempre de acordo com os estereótipos de que lhe são atribuídos. A população nada faz para perder esta fama. 

E quase ia fazendo, com os protestos de junho, mas foram devidamente amansados por políticos (sobretudo os lulistas) e reunidos sobre o rótulo de "black blocs" (não há nada melhor que rotular para amansar rebeldes, o mesmo que colocar uma coleira). Voltamos a ser os alienados que estamos acostumados a ser há décadas.

E os organizadores de entretenimento, muito mais interessados em lucrar com algum modismo do que ajudar a evoluir a cultura com nomes relevantes teve a "brilhante" ideia de trazer o fedelho Justin Bieber para fazer show no Brasil. Os alienados fizeram a festa, pois para eles o "maior nome da música" (sic) na atualidade iria fazer seu primeiro espetáculo em nossas plagas.

E finalmente o fedelho veio. E foi um showzão? Que nada! Playback, excesso de dançarinos e duração reduzida por causa de um suposto objeto tacado no palco. Para mim, Bieber é que pediu para arrumar um jeito de encerrar o show e partir para o que ele realmente queria fazer: farra da mais fútil.

E ele aprontou de tudo. Contratou prostitutas, ofendeu pessoas, desprezou fãs, bebeu, cheirou, foi a boates de baixaria , pichou muros e se pudesse fazia mais. Com certeza ele deve ter feito tudo isso (só o que se sabe - fora o que não foi relatado: lembrando que ele é drogado, apesar da fama de "certinho") por pensar que a sociedade brasileira é muito permissiva.

E vocês pensam que ele estava errado? Errado em abusar de atitudes nocivas, estava. Mas não estava errado em pensar que os brasileiros são permissivos, pois a população aqui dá a cara para ser batida. Brasileiros adoram ser fúteis e realmente consideram o lazer como mais importante do que assuntos sérios. 

E estou mentindo? Se perguntarem para qualquer brasileiro o que ele acha se a "seleção" tivesse que perder uma copa de futebol, sobretudo a de 2014 feita "em casa", para garantir qualidade de vida para toda a população, certamente e sem hesitar, ia preferir a copa. Que morra toda a população, mas que morra nos braços da "seleção".

É triste dizer isso, mas é verdade. Stallone e o ator Robin Williams (não confundir com o cantor inglês Robbie Williams, que apesar deter vindo de "boy band", universo de Bieber, resolveu elevar a sua carreira musical solo e se deu bem, sendo uma espécie de novo Elton John pela boa qualidade musical) já haviam feito piadas bastante críticas sobre os estereótipos da sociedade brasileira. Ninguém gostou. Até porque ninguém gosta da verdade. Se falam assim, é porque realmente existem coisas. Onde há fumaça, há fogo...

sábado, 9 de novembro de 2013

Abigail Breslin se une ao grupo das comprometidas. E o que sobrará para nós? Ring girls?

Uma das jovens mais lindas, charmosas e inteligentes do mundo, a atriz, compositora e musicista Abigail Breslin, acaba de anunciar que está namorando um músico, colega da banda de folk-rock alternativo da qual ela participa. Ela só chegará aos 18 anos no ano que vem, mas já arrumou alguém para chamar de "seu", com a rapidez de uma flecha.

Breslin se une a lista crescente de mulheres de classe, inteligência e bom gosto que conquistam os homens a cada dia. Do contrário do que a tradição machista sugeria, os homens cada vez mais preferem mulheres que possam oferecer muito mais do que um corpinho gostoso de se abraçar. Os homens acabaram se lembrando que beleza e gostosura sozinhas não influem no sucesso de um relacionamento, já que o que conta mesmo para o convívio é uma personalidade em que o desejo pela evolução moral e sobretudo intelectual esteja presente.

Com isso, a cada dia que passa, mais mulheres de personalidade marcante, com desejo de crescimento pessoal, vão se comprometendo, enquanto mulheres vazias, sem conteúdo, muito mais interessadas em mostrar seus corpos, antes as mais desejadas pelos homens, vão sobrando no mercado afetivo.

Boazudas de todos os tipos: mulheres-fruta, ring girls, funqueiras, paniquetes, musas do bum-bum e similares, além das carentes que pululam em comunidades de namoro em redes sociais, vem sobrando, para o desgosto dos homens solitários que também desejam mulheres com mais conteúdo de personalidade. Só para citar dois exemplos, como a dançarina Nicole Bahls e a ring girl (mulher que segura placas em lutas de MMA, usando apenas biquíni)  Arianny Celeste, aparecem constantemente solitárias, do contrário do que acontecia no passado remoto. Realmente, os tempos são outros.

Mas as outras mulheres, sobretudo as que trabalham em profissões liberais, como jornalistas, médicas, etc., antes estereotipadas como "encalhadas em potencial", estão se casando cada vez mais. Entre as médicas, por exemplo, é quase impossível encontrar uma que esteja sem homem.

E com as mulheres de personalidade marcante se comprometendo cada vez mais, eu me pergunto sobre o que é que vai sobrar para os homens de bom gosto? Se for como é ofertado para nós, creio que a solidão será o destino final dos homens que esperam mulheres com inteligência e bom gosto, já que para este tipo, a demanda é muito maior do que a oferta.

quinta-feira, 7 de novembro de 2013

Fãs de Star Trek tem o seu "Facebook"

Embora com popularidade reduzida, outras redes surgem para competir com o ultra-manjado Facebook. Muitas delas são para públicos específicos, e nestes, é grande o crescimento, dentro do limite do assunto focalizado.

Há redes para amantes de gatos, de ônibus, de implantes, tricô e muitos só de religião. Mas uma rede social específica é de grande interesse dos nerds: Star Trek Dating

A ideia é formar turmas de amigos ou principalmente de casais que curtam tudo relacionado com Star Trek (Jornada nas Estrelas), seja o seriado original, a saga de filmes e os zerentos spin-offs que fizeram com a série, seja com qualquer personagem.

Apesar de eu gostar muito de Star Trek, não creio que usar apenas um interesse definido seja uma boa maneira para arrumar uma namorada, já que a vida envolve outras coisas. Além disso, uma garota pode ter  gosto por Star Trek como único ponto de afinidade comigo, discordando de mim no resto dos aspectos. O que é bastante comum.

A quem se interessar, o endereço é este: http://startrekdating.com/

sábado, 2 de novembro de 2013

10 pessoas que nunca deveriam ter falecido

Hoje, dia de finados, é dia de lembrarmos daqueles que partiram para as outras dimensões, encerrando a sua trajetória neste planeta. Mas nesta postagem, não vamos lembrar de qualquer falecido e sim daqueles que sua morte impediu a evolução de uma forma ou de outra, de algum aspecto importante da sociedade.

Mas não utilizamos critério sentimental para definir estas pessoas, mesmo que a ausência delas seja comovente. Aqui, falamos de pessoas que poderiam ter impedido a mediocridade epidêmica que vivemos em nosso mundo e que mantém, além da alienação, todos os erros, injustiças, problemas e preconceitos que se mantém fortes, mesmo no início de um século que em passado remoto acreditávamos ser o século da evolução.

Esta postagem não tem objetivos biográficos, levando apenas em conta o porque da ausência deles estar sendo danosa. Qualquer informação adicional, pesquise o nome em sites de busca. Vamos a lista, em ordem alfabética.

BRITANNY MURPHY (1977-2009)

A bela e talentosa atriz era uma pessoa alegre, charmosa e simpática. Não como as outras, mas melhor. Era uma mulher cheia de vida e que merecia ser parâmetro de jovialidade e simpatia para as outras mulheres.

Confundida como drogada por tomar remédios regularmente (ela sofria de doença cardíaca), entrou em depressão após perder alguns trabalhos e de estar infeliz no casamento após seu marido tê-la traído com a própria sogra (mãe dela). Consumiu remédios em dose superior a normal e morreu por consequência disso.

CAZUZA (1958-1990) E RENATO RUSSO (1960-1996)

Coloco os dois no mesmo parágrafo porque ambos tiveram a mesma importância dentro da música brasileira. Letristas ímpares, cada um com seu estilo próprio, ambos eram intelectuais da música, escolhendo as palavras certas e aproveitando informações sólidas - ambos liam muitos livros e tinham vasto conhecimento cultural - para criar letras bastante reflexivas e que defendiam na prática a evolução intelectual da cultura brasileira. 

Sem eles, perdemos ricos referenciais e a ausência de ambos faz com que os jovens de hoje, perdidos, percam a noção do que seja música de protesto, aceitando qualquer engodo narcisista como tal.

GLAUBER ROCHA (1939-1981)

Cineasta peculiar, principal nome do movimento Cinema Novo e discípulo de muitos diretores do cinema intelectual do mundo, o baiano Glauber Rocha era a personalização do verdadeiro rebelde. Crítico impiedoso da mediocridade cultural, ele mostraria o verdadeiro cinema intelectualizado e com certeza não bateria palmas a esse cinema publicitário que é feito atualmente, um cinema fútil, acéfalo e feito exclusivamente para entreter, tal e qual o cinema comercial feito nos EUA. 

Rocha, que sempre aproveitava bem as oportunidades de criticar o sistema e o cinema ruim, era uma pessoa difícil, justamente por não aceitar facilmente as coisas como estão. Os cineastas atuais, publicitários disfarçados de "intelectuais das câmeras" certamente não gostariam de ter Rocha a seu lado a dar palpites bem amargos.

JOSÉ MANOEL BARBOZA (1944-2013)

O palestrante e intelectual espírita José Manoel Barboza (ou Zé Manel, como ele gostava de se referir), sempre se esforçou para tentar corrigir toda a deturpação feita pela forma brasileira do Espiritismo, controlada pela FEB (entidade fundada por dissidentes católicos e que usava o nome "Espiritismo" para defender uma filosofia completamente diferente), mostrando através de suas palestras e programas na TV local de sua cidade, Nova Friburgo/RJ, a verdadeira Doutrina Espírita, tal e qual foi codificada por Allan Kardec, muito bajulado pelos deturpadores, mas nada compreendido.

Barboza falava com firmeza e sem hesitação. Não tinha medo de criticar duramente, tratando os deturpadores como farsantes e usando palavras fortes para definir quem defendia a deturpação. Deturpação que elegeu seu líder máximo: o ingênuo médium católico Chico Xavier, tido erroneamente como o "homem mais bondoso do planeta Terra", considerado um semideus pelos seguidores da deturpação, supostamente dotado de poderes extraordinários e privilégios divinos. Uma ilusão.

José Barboza seria um nome forte para combater a forma deturpada de Espiritismo, impedindo-a de lucrar fortunas e enganar seguidores através de um sincretismo enrustido e da publicação constante de obras de conteúdo duvidoso que ostentam uma verborragia inútil e piegas para falar de amenidades que poderiam ser ditas com pouquíssimas palavras. Com o falecimento de "Zé Manel", o verdadeiro Espiritismo (o de Kardec) perdeu seu  mais convincente defensor, fazendo com que a versão deturpada, mesmo em queda de popularidade, retomar seu fôlego através das palestras rebuscadas e enganadoras de palestrantes como o médium Divaldo Franco, maior difusor da deturpação espírita na atualidade.

DR. JOSÉ ROIZ (1922-2003)

Num país em que considera o esporte como a solução definitiva pata muitos problemas sociais, é um verdadeiro ato de coragem e ousadia extrema, falar que esporte tem seus malefícios. Roiz, médico veterano, defensor da atividade física saudável longe de esportes competitivos, alertava que atletas, por terem um metabolismo mais acelerado, envelheciam e adoeciam mais rapidamente. Ele estava certo. A aparência dos esportistas ao chegarem aos 40 anos, comparados a outras pessoas de mesma idade, dá pistas de que Roiz estava certo.

O esporte, muitas vezes considerado infelizmente como "melhor substituto" da educação, além de exigir um esforço que pode comprometer a resistência física de quem o pratica, estimula o egoísmo através da competitividade e estabelece um padrão de "perfeição física" que pode gerar inúmeros preconceitos para quem não se enquadre no padrão apolíneo dos atletas. Roiz faz muita falta por ajudar a destruir o mito ainda fortíssimo de que o esporte só possui vantagens.

Como não achei fotos do médico, vai a capa de seu famoso livro. Roiz também era colunista da revista de esquerda Caros Amigos. Um fato estranho, já que a "esquerda" brasileira diverge de Roiz, defendendo a mitologia do esporte como algo exclusivamente positivo.

JIMI HENDRIX (1942-1970)

Considerado o maior guitarrista de todos os tempos por muitos especialistas, Hendrix sempre foi um estranho no ninho. Negro no mundinho branco do rock e um ianque atuante na Swinging London, Hendrix mudo a trajetória da música com suas composições belíssimas e seu canto espontâneo, ambos embalados por uma sonoridade peculiar de guitarras (no plural, please!).

E poderia mudar ainda mais. Hendrix, infelizmente confundido como um "doidão" em uma sociedade conservadora na época (todo mundo consumia drogas - até mesmo os conservadores tragavam a sua cocaína, sem ninguém saber), era também um intelectual da música, assumindo uma atitude equilibrada nas entrevistas e falando fracamente sobre o que pensava. 

Era um militante da música pois queria viver evoluindo sua capacidade de compor, tocar e cantar. Tinha inúmeros projetos com parceiros (tinha agendado parcerias com Miles Davis e com Keith Emerson e Greg Lake) e queria expandir ainda mais o seu já rico leque de diversidade rítmica. Hendrix, embora consagrado no rock, tocava muito gêneros como soul, blues, vários tipos de rock e pretendia fazer jazz fusion e rock progressivo. Um mestre ansioso em aprender consigo mesmo.

A música poderia ter evoluído mais se Hendrix não tivesse morrido com a demora do socorro médico quando passou mal (o mito de que ele morreu de overdose é falso) ao se engasgar. A morte dele poderia ter ajudado a reforçar a referência musical que iria impedir a sua franca decadência, iniciada nos anos 70 e com a degradação francamente acelerada dos anos 90 até hoje.

MILTON SANTOS (1926-2001)

O geógrafo baiano Milton Santos foi uma das mentes mais brilhantes a viver neste país. Intelectual completo, Santos propôs um novo conceito de espaço urbano, eliminando de vez os conceitos tradicionais de periferia x centro (conceito infelizmente retomado pelos defensores da degradação cultural), além de criticar os abusos do Capitalismo e da Globalização, além de ser um lutador pela justiça social e crítico da mencionada degradação cultural (algo raro na intelectualidade brasileira, que em sua maioria considera a degradação uma nova forma de "evolução cultural".

Santos faz muita falta por criticar não apenas em um aspecto, mas em todos, os erros tão comuns no cotidiano, propondo soluções e confrontando fatos. De ideia esquerdista (a legítima, não essa que está aí), reprovava o neoliberalismo e ainda declarou várias vezes sobre os malefícios do excesso de informação jogado pela mídia nas mentes da sociedade, sobretudo dos jovens, que se perdem diante de tantos conceitos, embaralhando-os e tendo uma compreensão distorcida do mundo, gerando toda a imbecilização que vemos por aí.

Exemplo de vida, Santos era poliglota e era consagrado lá fora. Suas ideias ainda são admiradas por estudantes estrangeiros dispostos a entender mais sobre a missão do ser humano na sociedade.

PAULO FREIRE (1921-1997)

Revolucionário da educação e um dos maiores educadores brasileiros de todos os tempos, foi um dos poucos a admitir a existência do chamado Analfabetismo Funcional, aquele em que a pessoa sabe ler  e escrever, em níveis basicamente aceitáveis pela vida em sociedade, mas não sabe discernir, tem preguiça em pesquisar, prefere crer do que questionar e confia cegamente no prestígio de pessoas consideradas confiáveis. 

Freire iria mudar tudo isso, propondo um modelo de educação que estimula o questionamento e o senso crítico, fazendo os alunos raciocinarem baseados nas coisas que faziam parte de sua realidade. Discretamente, Freire estimulava uma compreensão mais racional da realidade, e isso incomodou a ditadura que o puniu com a não publicação de seu mais famoso livro, Pedagogia do Oprimido, lançado anteriormente em vários países.

Apesar de constantemente bajulado e de ser considerado patrono da educação brasileira, seu método foi descartado e pelo que vemos hoje, está ocorrendo exatamente o oposto, com uma juventude cada vez menos racional e com índices altíssimos de Analfabetismo Funcional.

RAUL SEIXAS (1945-1989)

O maior símbolo do rock baiano e um dos maiores do rock nacional, Seixas era uma espécie de Glauber Rocha da música. Altamente crítico, não era compreendido pelas pessoas, até mesmo pelos que o admiravam. Confundiam-no como um bobo alegre e o tratavam como se fosse um comediante.

Mas as críticas de Seixas eram bem sérias. Seixas, além de alertar sobre os erros do sistema, defendia a qualidade da cultura, sobretudo da música e criticava formas deturpadas e mercenárias. Apesar de roqueiro, defendia a verdadeira cultura nacional e incluiu influências brasileiras, como baião e afoxé em suas músicas. Costumava dizer que Gonzagão e Elvis Presley eram bem parecidos, cada um em seu contexto.

Seixas, por ter sido um crítico impiedoso da decadência cultural, faz muita falta nos dias de hoje. O que os lelekes e sertanojos universotários iriam ter que aguentar ouvir do velhinho rebelde...